UA-84155756-1

MULTIPLICA DIGITAL – NOVA CLASSIFICAÇÃO DO BURNOUT ACENDE SINAL DE ALERTA PARA AS EMPRESAS

By: | Tags: | Comments: 0 | janeiro 28th, 2022

Nova classificação do Burnout acende sinal de alerta para as empresas

Burnout-empresas

Especialista fala sobre as características da síndrome, a atenção que o empregador deve ter com o ambiente de trabalho e com a saúde dos empregados

Recentemente, a Organização Mundial da Saúde (OMS) reconheceu que a Síndrome de Burnout está associada aos problemas do emprego e desemprego e ela passou a integrar o Código Internacional de Doenças (CID) 11, compondo o capítulo específico desses problemas.

A advogada especialista na área do Direito do Trabalho, Karolen Gualda Beber, lembra que a definição dada pela OMS é de estresse crônico no local de trabalho que não foi gerenciado com sucesso.

“Essa nova classificação resulta em preocupação para as empresas que vão além dos Equipamentos de Proteção Individuais (EPIs), pois traz risco jurídico e financeiro”, disse a advogada.

Ela lembra também que as empresas têm o dever, portanto, constitucional de proporcionar um meio ambiente de trabalho saudável.

E, agora, a atenção deve ser voltada ao assédio moral, metas pouco realistas, excessos na jornada e remuneração incompatível, por exemplo, situações diretamente associadas à síndrome.

“As empresas devem atuar em três frentes: eliminação ou redução dos fatores do estresse no ambiente de trabalho; oferta de programas para evitar o adoecimento, e atuar nos casos em que o profissional já está doente”, disse Beber.

A sensação de esgotamento, cinismo ou sentimentos negativos relacionados ao trabalho, por exemplo, podem ser indícios da doença.

“Os sintomas podem ser físicos ou psicológicos, mas, a comprovação é sempre feita por laudo médico que envolverá não só a análise do indivíduo, como também do seu ambiente de trabalho. É um diagnóstico clínico, onde o profissional deverá diferenciar a burnout da depressão ou de um estresse”, explica a advogada.

Burnout nas empresas 

Karolen também destaca que a nova classificação da síndrome vai impactar a Previdência Social, uma vez que estudos apontam que 30% dos trabalhadores brasileiros têm ou tiveram Burnout.

O país perde apenas para o Japão em número de profissionais afetados.

“Os empregados doentes poderão ser afastados do trabalho com o percebimento do benefício auxílio-doença acidentário, e, no caso de incapacidade permanente, aposentadoria por invalidez ocupacional”, conclui Beber.

Fonte: Advogada especialista na área do Direito do Trabalho, Karolen Gualda Beber

Foto: Shutterstock

You must be logged in to post a comment.