UA-84155756-1

MULTIPLICA DIGITAL – COMO PRIVILEGIAR PRODUTOS DE HIGIENE E BELEZA NAS FARMÁCIAS?

By: | Tags: | Comments: 0 | fevereiro 15th, 2021

Como privilegiar produtos de higiene e beleza nas farmácias?

higiene e beleza na farmácia

Confira as dicas para privilegiar estes itens no canal e faça um checklist gratuito do mix ideal

As categorias que fazem parte da área da área de Higiene & Beleza (H&B) na farmácia, também reconhecidas como itens de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (HPCs) e representadas por produtos como hair care, dermocosméticos, cuidados corporais, entre outras, têm uma representatividade elevada dentro do canal e ganham cada vez mais destaque.

Aliás, para se ter uma ideia, segundo dados da Associação Brasileira das Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), até outubro do ano passado, as vendas de não medicamentos, nas quais os HPCs estão contemplados, representavam 33% do faturamento das associadas.

fátima merlin ensina higiene e beleza na farmácia

Fátima Merlin, da Connect Shopper. Crédito: Eliane Cunha

Assim, ficam à frente, inclusive, de categorias como Medicamentos Isentos de Prescrição (MIPs), que abocanham representatividade de 18%. E esse percentual pode ser ainda maior, dependendo do posicionamento da loja.

Ademais, números com esse representam a importância que os HPCs ganharam entre os consumidores da farmácia. Aliás, eles reconhecem o canal como um espaço onde há amplo sortimento, preços competitivos e atendimento especializado.

A seguir, a diretora da Connect Shopper e consultora de varejo e shopper marketing, Fátima Merlin (foto), mostra algumas dicas que mostram como privilegiar os itens de higiene e beleza nas farmácias.

1. Atendimento especializado

São muitos os clientes que dão preferência às compras na farmácia por fazerem uma relação direta com a proposta de saúde, bem-estar e qualidade de vida. Além disso, encontram tudo o que precisam de forma agrupada e, acima de tudo, boa orientação da equipe de vendas.

Aliás, na farmácia, o atendimento é considerado um dos diferenciais, já que farmacêuticos, balconistas ou dermoconsultoras costumam não assediar demais os shoppers, fazendo com que se sintam à vontade.

Além disso, quando precisam de alguma informação, sempre acham um especialista para orientá-los.

2. Conhecimento do shopper

Ademais, para ter sucesso com as categorias de higiene e beleza na farmácia – ou com qualquer outra – é preciso entender, profundamente, o perfil, hábitos, fluxo de clientes da loja, o comportamento de compras e como interagem com cada categoria.

Nesse sentido, com esse entendimento, é possível definir a melhor estratégia de mix, exposição e precificação, como se comunicar e quais os materiais de ponto de vendas (PDVs) mais adequados para a ação.

3. Mix adequado

Acima de tudo, em relação ao sortimento, é preciso entender qual a relação do cliente com as categorias de higiene e beleza na farmácia.

Afinal, esse conhecimento prévio permite avaliar para quais categorias se deve dar maior abrangência (variedade de tipos de produtos) ou maior profundidade (variedade de tamanhos/cores/embalagens em cada tipo de produto) ao sortimento.

4. Experiência de compras

higiene e beleza na farmácia com experiência de compras

De fato, cada vez mais informado – e aberto às experiências digitais – o consumidor busca por diferenciais na loja física. Afinal, eles consideram a experiência uma parte importante no processo de conversão de compras.

Para os itens de higiene e beleza nas farmácias, são elementos importantes no PDV oferecer uma iluminação adequada, o layout atrativo, ter categorias bem definidas e possuir uma adequada estratégia de mix e precificação.

Vale, ainda, apostar nas novidades do mercado (que sempre atraem o público pela curiosidade na experimentação).

5. Exposição estratégica

Para oferecer uma solução completa ao shopperé fundamental que as farmácias agrupem os itens de higiene e beleza num único espaço, mas segregados entre cada uma das categorias, e tendo a árvore de decisão de compras em cada uma delas como referência.

Assim, devem-se considerar não apenas os momentos de uso e consumo, como também a estratégia esperada para a categoria, como seu papel e a proposta de valor do varejista.

De modo geral, as categorias que devem estar presentes são: higiene pessoal (desodorantes, absorventes…); cuidados com a pelecuidados com os cabelos; unhas; maquiagem; higiene íntima; e depilação.

Fonte: Guia da Farmácia

Fotos: Shutterstock/ Eliane Cunha

You must be logged in to post a comment.